Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

No divã

No divã

Ter | 09.10.18

Como eu poupo

Depois do último update, não senti vontade de escrever nem sequer de levar as minhas obrigações avante... mas, quanto a essas, não tive grande escolha. Bem, águas passadas...

Hoje venho falar-vos um pouco de como eu poupo. Desde miúda que me foram incutidos hábitos de poupança, de compras conscientes e ponderadas. Quando comecei a trabalhar, o meu gosto (e afinco) por poupar o máximo possível ficou ainda mais visível... hoje em dia, não tenho uma conta muito recheada, mas sinto-me orgulhosa pelo que consegui fazer nos últimos tempos e confiante para os projetos futuros e tudo isto se deve ao facto de eu seguir à risca determinados comportamentos, que me permitem antecipar o futuro em termos de despesas e sobre quanto consigo poupar a longo prazo. Cá vão eles:

1. Sei para onde vai o dinheiro. Para isto, muito me ajuda o Wallet. Nesta aplicação, eu consigo registar todas as minhas despesas na hora, assim como categorizá-las e a aplicação faz o resto sozinha: gráficos que me permitem ver onde é que efetivamente se concentram as despesas. Também registo todas as minhas despesas no papel (tenho esta necessidade de "desvirtualizar" as coisas, vá-se lá entender).

2. Faço orçamentos para os meses seguintes. Claro que não conseguiria fazê-lo sem saber para onde vai o dinheiro e, por isso, o ponto 1. é muito importante. Isto permite-me equilibrar as despesas. Exemplo prático: há pouco tempo, decidi que ia ter uma despesa acrescida algures em breve. Então, olhei para o panorama dos próximos dois meses e vi que iam ter encargos extra (aquelas taxas maravilhosas que temos de pagar uma vez por ano) e que, por outro lado, no mês em que estava, o balanço parecia bem mais equilibrado. Decidi-me a ter a tal despesa nesse mesmo mês para não "sacrificar" tanto os seguintes.

Além disso, também estabeleço limites realistas para algumas despesas, como alimentação e combustível. Destaco realistas porque de nada vale colocar como limite 100€ de combustível quando sei que vou fazer uma batelada de quilómetros. No caso da alimentação, como é uma despesa mais variável e muito dependente dos meus hábitos, tenho estabelecer limites razoáveis. Gosto muito de comer fora e não prescindo de o fazer algumas vezes, mas algumas vezes não é igual a "todas as semanas vou-me arruinar no sushi". No dia-a-dia, procuro levar sempre comida de casa para lanches e almoço. É fácil cair na falácia "um café e um bolo são só 0,90€*, não é caro", mas agora multipliquem 0,90€ por 22 dias... são 19,80€. Ao fim de um ano são 237,60€ em cafés e bolos.

*0,90€ é um preço muito simpático, que eu só consigo encontrar no meu local de trabalho.

3. Para a conta-poupança quando recebo. Não espero pelo final do mês para colocar o que sobrou na conta-poupança. Uma parte do meu ordenado vai para lá assim que recebo, juntamente com o que sobrou do mês anterior. Ou seja, é como se poupasse no início e no fim. Se chegar ao fim e não me sobrar nada não me sinto tão mal, porque sei que no início já coloquei uma boa parte para as poupanças no início do mês. Além disso, sinto-me (ainda) mais obrigada a poupar quando o saldo na conta começa a descer muito... se não retirasse no início do mês, nunca ia ter esse sentimento ou então ia tê-lo depois de já ter feito n compras sem sentido!

Qual a percentagem que vai para as poupanças é uma escolha de cada um e que deve ser planeada, mais uma vez, de forma realista. No meu primeiro emprego, colocava 20% todos os meses. Atualmente, coloco bem mais, porque também recebo mais.

4. Compras ponderadas. Tento fazer compras ponderadas e fugir das compras impulsivas. Há uns tempos, acordei com a mania que queria uns óculos de sol... logo eu que nunca me dei muito bem com óculos de sol. Ora, sabendo deste facto de antemão, deixei passar algum tempo. Experimentei alguns pares de óculos, apaixonei-me por uns e comecei a comparar preços... um dia, encontrei-os com uma promoção brutal e muito mais baratos do que tinha visto no primeiro sítio! Acabei por comprá-los e posso dizer que lhes dou muito mais uso do que tinha imaginado... finalmente encontrei uns óculos com os quais me sinto confortável... e bonita!

Voltando ao tópico... tento não comprar nada com base em argumentos que podem, com muita facilidade, ser perecíveis. Um exemplo: tento não comprar roupa "da moda" só porque acho que é muito giro. Em matéria de roupa, tento optar por peças mais intemporais (e giras, claro!).

 

E vocês, como é que poupam? Partilhem as vossas técnicas de poupança... gosto de conhecer novos métodos!